Portal das Cachoeiras- Outros Destinos -Furna 2 (Vila Velha)

Outros Destinos - Furna 2 (Vila Velha)

História

O Parque Estadual de Vila Velha (PEVV) foi criado pela Lei nº 1.292/53, com a finalidade de conservar um exemplar de campos nativos do Paraná, enquanto patrimônio geológico. Tombado pelo Departamento Histórico e Artístico do Estado do Paraná em 1966, sendo um sítio com formações areníticas de valos cênico e científico. É a principal atração turística e atrativo natural da cidade de Ponta Grossa-PR e ocupa 3.122 hectares. Com formações rochosas peculiares, a origem da sua formação é ainda mais interessante, formada a mais de 300 milhões de anos pela compactação e solidificação das camadas de areia resultante do derretimento das geleiras, quando a América do Sul ainda era ligada à África, Antártida, Oceania e Índia, na era Glacial e até hoje vem sofrendo transformações pelas águas das chuvas e a força do vento. As formações são impressionantes e a principal escultura é a Taça, uma formação rochosa em forma de taça. Conta a lenda que este recanto foi escolhido pelos primitivos habitantes para ser Abaretama, terra dos homens. No local seria escondido o precioso tesouro Itainhareru. Com a proteção de Tupã, era cuidadosamente vigiado pelos Apiabas, varões escolhidos entre os melhores homens de todas as tribos. Os Apiabas desfrutavam de todas as regalias, porém era proibido o contato com as mulheres. A tradição dizia que elas, sabendo do segredo de Abaretama, revelariam aos quatro ventos. A notícia chegaria aos ouvidos do inimigo, que tomaria o tesouro para si. Se o tesouro fosse perdido, Tupã deixaria de resguardar o seu povo e lançaria sobre ele as maiores desgraças. Dhui (Luís) fora escolhido chefe supremo dos Apiabas, entretanto, não desejava seguir esse destino, pois se tratava de um chunharapixara (mulherengo). As tribos rivais, após tomarem conhecimento do fato, escolheram a bela Aracê Poranga (aurora da manhã) para tentar seduzir o jovem guerreiro e tomar-lhe o segredo do tesouro. A escolhida logo conquistou o coração de Dhui. Em uma tarde primaveril, Aracê veio ao encontro de Dhui trazendo uma taça de Uirucur (licor do butiás) para embebedá-lo. No entanto, o amor já havia tomado conta de seu coração e a traição não aconteceu. Decidiu, então, tomar a bebida junto com seu amado. Em seguida, os dois se amaram à sombra de um ipê. Tupã logo descobriu a traição do seu guerreiro e, furioso, provocou um terremoto sobre toda a região. A antiga planície foi transformada em um conjunto de suaves colinas. Abaretama transformou-se em pedra. O solo rasgou-se em alguns pontos, originando as Furnas. O precioso tesouro fora derretido, formando a Lagoa Dourada. Os dois amantes ficaram petrificados e, entre os dois, a taça ficou como o símbolo da traição. Diz a lenda que as pessoas mais sensíveis à natureza e ao amor, quando passam pelo local, ouvem a última frase de Aracê: xê pocê o quê (dormirei contigo).

Descrição

O termo "furna" significa caverna, cova, lapa, sendo utilizado em outras regiões brasileiras para designar qualquer escorregamento de encosta ou cavidade no terreno. Uma expressão alternativa para se referir às Furnas dos Campos Gerais seria "Poços de Desabamento", pois são feições deprimidas, aproximadamente cilíndricas com profundas paredes verticais, geradas naturalmente em superfície com abatimento do teto de arenito. 

As Furnas do Paraná ocorrem quase exclusivamente na área de afloramento da Formação Furnas, sendo mencionadas cerca de 50 furnas na região dos Campos Gerais, a grande maioria rasa e pouco desenvolvida.

No Parque Estadual de Vila Velha 12 feições deprimidas foram classificadas como furnas das quais apenas as Furnas 1, 2 e Lagoa Dourada (que devido a sua aparência, incluímos na seção "Rios e Lagos" do nosso site) possuem infra-estrutura para visitação turística. 

A Furna 2 possui uma profundidade de 110 metros (profundidade inundada de 56 metros). Com 90 metros de diâmetro no eixo menor e 150m no eixo maior, abriga duas Furnas que foram conectadas pela destruição erosiva da parede que as mantinha separadas.

Como Chegar

O acesso ao Parque é pela Rodovia BR-376, no km 515.

Demais Informações

- Aberto de quarta a segunda-feira, das 08:30h às 17:30h. Os bilhetes podem ser adquiridos até as 15:30h;
- Possui estacionamento, banheiro e lanchonete;
- É cobrada taxa de entrada por pessoa;
- De Curitiba passa-se por 2 pedágios (R$ 6,80 e R$ 9,70). Atualizado em Novembro de 2014;
- Textos retirados do site da Prefeitura de Ponta Grossa (www.pontagrossa.pr.gov.br);
- Quer descontos em Cachoeiras, Hotéis, Pousadas, Pacotes Turísticos, Esportes de Aventura, Cursos de Mergulho e muito mais? Clique aqui e saiba mais sobre o programa SÓCIO PDC...

Comentários